MEMPHIS ON ITS WAY
Ana Margarida Cardoso

Mystery Train (1989), filme de Jim Jarmusch, toma a cidade de Memphis como cenário. De cidade-berço do Rock n’ Roll e dos Blues, outrora centro ativo da cultura negra americana, Memphis defronta-se, nos finais da década de 1980 com as consequências da sua exploração intensa e é apresentada como um império em extinção aos olhos de Jim Jarmusch.

O enredo de Mystery Train traduz-se numa representação espaço-temporal de um dia na cidade de Memphis, a partir de três perspetivas diferentes. Ao cinéfilo atento, porém, há algo mais ressonante — os pormenores e as associações subtis que introduzem Memphis, não enquanto lugar, mas como uma personagem omnipresente.

MEMPHIS ON ITS WAY é um ensaio verbal-visual que procura desconstruir este filme, alternando variáveis de tempo (y) e de espaço (x), para com este exercício se revelarem as camadas que constituem a identidade desta cidade — uma figura misteriosa, uma personagem que tem por ambição assumir o papel principal.