OPEN
Carolina Aguiar / Sara Neves

Many of the predominant motifs of Nazi rhetoric engendered metaphors, metonyms, and allegories that functioned to construct their own particular versions of reality, the enemy, and the world. Often mischaracterized as colorful or jokey language, all three of these rhetorical figures are essentially methods of disfiguration. Far-right politicians today take pride in their use of metaphor — especially when they incite violence.
Metahaven, «Sleep Walks the Street, Part 1» (2019)

Em Sleep Walks the Street, Part 1 (2019), o coletivo Metahaven reflete acerca do uso de recursos linguísticos como a metáfora, a alegoria e a metonímia enquanto ferramenta política, de forma a construir versões alternativas e manipuladas da realidade. Esta instrumentalização das palavras torna-se particularmente recorrente nos discursos de representantes da extrema-direita. Este movimento político tem vindo a ganhar força nos últimos tempos, com uma presença cada vez mais relevante nos órgãos de poder de vários países. Associado a este crescimento, denota-se também a emergência de discursos de índole racista, xenófoba e anti-imigração, mesmo que mascarados pelo uso de figuras retóricas.

OPEN cria uma oposição entre esta realidade manipulada pelas palavras e uma vivência multicultural marcada pela abertura e pelo pacifismo – aceita-se e vive-se em harmonia com a diferença que existe. A compilação imagética construída, em paralelo com discursos de representantes da extrema-direita, resulta num confronto de realidades, com um impacto alarmante na nossa sociedade.