DE VOS OUVIR DEMASIADA-
MENTE PERTO
Ana Alice Miranda / Maria João Estevão

Ao depararmo-nos com o fluxo frenético da cidade, inevitavelmente chegamos a espaços onde a utilização humana é o próprio acontecimento. Espaços que deixam de fazer sentido, que perdem o propósito quando estão encerrados, e que se tornam fantasmagóricos, desabitados. A única coisa que os ocupa são as luzes de presença, as máquinas que continuam a trabalhar para o vazio.

DE VOS OUVIR DEMASIADAMENTE PERTO, título retirado de um verso da segunda estrofe do poema Ode Triunfal, de Álvaro de Campos, remete diretamente para o ambiente sonoro que acompanha a narrativa visual. À carga simbólica do poema, sobrepusemos a exaltação da máquina num ambiente aparentemente caótico, que contrasta com o vazio e a desocupação dos espaços.